IRPF 2016 – Quem deve declarar e quais são os documentos necessários?

O primeiro passo, para fazer a sua declaração, é separar todos os documentos que você vai precisar para preencher corretamente a sua declaração de ajuste do imposto sobre a renda, certo?

Vamos lá:
(TODOS ESTES DOCUMENTOS DEVEM SER DO CONTRIBUINTE TITULAR – CONJUGE E DEPENDENTES)
• Cópia da declaração do IR de 2015 (arquivada na memória do computador, gravada em CD ou em pen drive ou impressa)
• Informes de rendimentos recebidos das fontes pagadoras (no caso de assalariados) Todas, não se esqueça de nenhuma, mesmo que seja de um mês apenas.
• Cópias de recibos/notas fiscais fornecidos a pacientes/clientes (no caso de autônomos e profissionais liberais)
• Livro-caixa (no caso de autônomos e profissionais liberais, qualquer que seja a atividade exercida)
• Informe de rendimentos do INSS (no caso de quem recebe benefícios previdenciários) ou de entidades de previdência privada
• Informes de rendimentos financeiros fornecidos por bancos (os mesmos têm até o dia 29/02 para te enviar, inclusive as empresas em que trabalhou)
• Informes de pagamento de contribuições a entidades de previdência privada (é preciso nome e CNPJ da entidade)
• Recibos/carnês de pagamento de despesas escolares dos dependentes ou do próprio contribuinte (é preciso nome e CNPJ dos estabelecimentos de ensino)
• Recibos de aluguéis pagos/recebidos em 2015
• Nome e CPF dos beneficiários de despesas com saúde (médicos, dentistas, psicólogos etc.) em nome do TITULAR
• Nome e CNPJ dos beneficiários de pagamentos a pessoas jurídicas (hospitais, planos de saúde, clínicas de exames laboratoriais etc.) em nome do Titular
• Nome e CPF de beneficiários de doações/heranças e respectivo valor
• Nome e CPF dos dependentes maiores de 14 anos (para os menores de 14 anos não é preciso indicar o CPF)
• Nome e CPF de ex-cônjuges e filhos (para comprovar o pagamento de pensão alimentícia – alimentando)
• Dados do empregado doméstico com os recolhimentos das contribuições ao INSS (é preciso nome, CPF e NIT do empregado e o valor total pago em 2015)
• Escrituras ou compromissos de compra e/ou venda de imóveis/terrenos adquiridos/vendidos em 2015 (No caso de venda DEVERÁ importar o CGAP)
• Documento de compra e/ou venda de veículos em 2015 (marca, modelo, placa e nome e CPF/CNPJ do comprador/vendedor) (Idem CGAP)
• Documento de compra de veículos/bens por consórcios em 2015
• Documentos sobre rescisões trabalhistas (se for o caso), com valores individualizados recebidos em 2015 (salários, férias, 13º salário, FGTS etc.)
– Faça o levantamento de compra e venda de ações (se for o caso) durante o ano para o preenchimento da ficha de Renda Variável com Lucro ou Prejuízo
– Separe documentos referente a ganhos em qualquer Loteria ou Premiações. Exemplo: Nota Fiscal Paulista
– Se teve qualquer ganho em moeda estrangeira separe o documento para registro
Uma vez que você já separou TODOS OS DOCUMENTOS necessários, e GUARDAR (durante 5 anos, pelo menos), para a sua Declaração de Imposto de Renda, vamos verificar se tem OBRIGATORIEDADE de fazer a mesma, ok?
Para isso verifique:
• Recebeu rendimentos tributáveis (ex.: salário, aposentadoria, aluguéis) acima de R$ 28.123,91
• Recebeu rendimentos isentos (juros de poupança, FGTS), não tributáveis (seguro de veículo roubado/furtado, indenização em PDV) ou tributados apenas na fonte (13º salário, ganhos com aplicação financeira, prêmios de loterias) acima de R$ 40 mil**
• Teve a posse ou propriedade, em 31/12, de bens ou direitos (imóveis, terrenos, veículos) acima de R$ 300 mil**
• Obteve ganho de capital na venda de bens e direitos sujeito ao IR
• Realizou operações em Bolsas de Valores, de mercadorias e de futuros
• Teve receita bruta de atividade rural acima de R$ 141.457,50**
• Deseja compensar, nesta declaração ou nas próximas, prejuízos de anos anteriores com atividade rural
• Optou pela isenção do IR sobre o ganho de capital obtido na venda de imóveis residenciais ao usar o dinheiro integralmente na compra de imóveis residenciais no país no prazo de 180 dias contado da celebração do contrato de venda
• Passou, em qualquer mês, à condição de residente no país e estava nessa situação em 31/12
• Se, mesmo isento (ganhou menos de R$ 28.123,91) mas teve Imposto de Renda Retido na Fonte em algum mês deverá declarar para RESTITUIR o mesmo pois a Receita Federal só irá devolver para você com a apresentação da Declaração.
Obrigatoriedade: basta estar enquadrado em qualquer uma das hipóteses acima.
(**) Valores ainda não definidos pela Receita Federal
A Receita Federal irá liberar o respectivo software apenas em 01/03, portanto é melhor você se antecipar e começar a tomar as providências necessárias para não ter surpresas.
Com esta finalidade criei uma planilha especifica para isso que, além de fazer todos os cálculos da sua declaração, servirá para AUDITAR a sua VARIAÇÃO PATRIMONIAL no ano (40% das declarações que caem na malha fina são decorrentes desta variação, a pessoa ganha R$ 100 mil no ano e declara apenas R$ 30 mil) e uma outra parte (algo em torno de 50%) é referente a despesas com médicos / dentistas / etc sem a devida comprovação; o restante é por erro na hora de declarar (inexperiência). Veja a planilha no tópico: Simulador IRPF 2016.
A planilha serve, também, para verificar se a sua Declaração pode ser apresentada no modelo COMPLETO ou SIMPLIFICADO, além de algumas outras abas extras, tais como: cálculo de 1 ou mais rendas para guardar o valor na poupança para 2017, cálculo de aposentadoria e, para aqueles que tem dúvida se é melhor trabalhar como pessoa física ou jurídica uma aba especial para você mesmo fazer este cálculo.
Caso queira aquela planilha de planejamento financeiro, com agenda, calendário, compromissos e muitos outros dados e informações para você se organizar basta fazer o download diretamente no site: http://mentordenegocios.com.br , fique a vontade.

Deixe uma resposta