Taxistas ou Autônomos ou Profissionais Liberais. Com a E.Financeira todo cuidado é pouco!

Todos sabemos que uma boa parte da população vive na informalidade, apesar de já termos tido bastante adesão no MEI (Micro Empreendedor Individual) que, praticamente, “obrigou” a quem estava desta forma, a pagar o imposto de renda, vários milhares de profissionais ainda não se deram conta do que lhes pode acontecer com relação as suas Declarações de Ajuste de Imposto sobre a Renda.

Até mesmo os MEIs devem estar fazendo de forma incorreta, mas isso vou tratar em outra matéria exclusiva com este assunto, orientando melhor como fazer.

Vejamos.

Imagino você, que pertence a uma destas categorias acima (não tem vínculo empregatício com nenhuma empresa) e tem, mensalmente, (eventualmente) algumas das seguintes despesas:

– aluguel, água, luz, telefone (fixo e celular), internet, tv a cabo, etc..

– despesas com veículos (combustível, óleo, etc..)

– despesas com alimentação (mercado, açougue, restaurantes, etc..)

– despesas com convênios médicos (ou despesas médicas, hospitalares, clínicas, odontológicas, etc…)

– despesas com instrução (escolas e cursos)

– pagamento de empréstimos ou financiamentos (carro, casa, etc…)

– comprou, com NOTA FISCAL e, portanto, teve que informar o CPF móveis, eletrodomésticos, eletrônicos, viagens aéreas, etc…

E várias outras que, até mesmo sem querer, acaba pagando com cartão de débito ou crédito, ou cheque, ou em dinheiro que retira da sua conta corrente, ou paga via internet com débito direto em sua conta, ok?

Digamos que você tem uma (ou mais) conta corrente em banco, ou poupança, certo?

Agora vamos lá:

O movimento em sua conta corrente / poupança / cartão de débito / crédito é de algo em torno de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) (valor hipotético) por mês, totalizando R$ 60.000,00 no ano e não fez (como deveria) o CARNE-LEÃO, que, nos casos acima, é praticamente obrigatório, quando recebe exclusivamente os rendimentos de PESSOA FÍSICA (inclusive no caso de aluguéis).

Quando você recebe de PESSOA JURÍDICA não é necessário fazer o Carne Leão, pois a mesma deveria ter RETIDO o IRRF e apresentar a você o INFORME DE RENDIMENTOS auferidos no ano para a sua Declaração de Ajuste do Imposto sobre a Renda.

Bom, voltando ao assunto, todas as suas informações de movimento financeiro JÁ ESTÃO NA RECEITA FEDERAL, pois foram informados pelos bancos, administradoras de cartões, cartórios, Detran / Ciretran, Escolas e Faculdades, médicos, dentistas, hospitais, clínicas, etc.

Se você OUSAR declarar menos do que os R$ 60.000,00 vai direto para a MALHA FINA e vai receber a triste notícia que a sua DECLARAÇÃO não está de acordo com os DADOS que a Receita Federal tem.

Consequentemente terá que pagar a diferença do DECLARADO com a SITUAÇÃO REAL e ficará sujeito a MULTA que varia de 75% até 225%, além da correção monetária baseada na SELIC e juros de 1%, além de ficar sujeito a pena de 2 (dois) a 5 (cinco) anos de reclusão, pois isso é considerado CRIME perante a Receita Federal, intitulado: fraude ou sonegação fiscal.

Caso você faça o CARNE LEÃO correto, escriturado mês a mês, poderá abater as DESPESAS DECORRENTES DA SUA ATIVIDADE (para pagar menos imposto ou até nenhum) e evitar tudo isso.

Lembrando o seguinte: tem que existir SOBRA DE CAIXA (e é aqui que entra um estudo aprofundado do que ganha – o que gasta mensalmente – despesa do caixa) para que você e sua família, se for o caso, poderem viver.

Caso queira mais dicas visite o site http://impostoderenda.srv.br criado especialmente para atender e esclarecer dúvidas a respeito de imposto de renda pessoa física, ou envie um e-mail direto para wilson.giglio@mentordenegocios.com.br assunto: IRPF 2016 esclarecendo (e detalhando) bem a sua questão.

Deixe uma resposta